Oração

Brilha brilha
Olhos escuros
Brilha feito
Farol guiando
Os perdidos
No mar da
Sua alma
Brilha luz
Na sua vida cinza
E acenda a chama
Que te chama
E clama pelo
Seu nome secreto
Brilha discreto
Brilha direto no centro
Brilha por dentro
Que o que está por
fora brilha direito
Brilha por dentro
E vomite todo tormento
Prantos e espantos
Brilha tanto que
De olhos fechados
É possível ver o universo
Inteiro ardendo
Brilha brilha
Olhos negros

Homo Sapiens Homossexual

Queijo embrulha o meu estomago  
Punheta fode com a criatividade 
Exercícios físicos para alinhar corpo, mente e espirito 
Nada mais de comida industrializada 
Os armários vazios da cozinha 
Aguentam o peso da madeira que os constrói  
Eu aguentei o peso de um amor morto pendurado no peito  
Mensagens picantes via telefone celular  
Se eu mostrar meu pau você mostra o seu também? 
Estou arrotando como se tivesse despejado litros de cerveja goela abaixo 
Gastrite nervosa azia refluxo curo com limão água morna e mel  
Sua língua procurando o lugar mais quente no meu corpo  
E eu testando minha visão no escuro 
Acordo ainda de olhos fechados e tento dar um pulo  
Um salto pra fora 
Fora da cama fora de mim fora de casa e do planeta terra  
Tento me observar do lado de fora do meu casco  
Como se meu espirito me olhasse de cima para baixo  
Eu formiga  
O eu pequenino  
O eu ego  
Humano 
Homo sapiens Homossexual 
Vou expandir consciência assistindo Netflix 
Curar minha hipocondria via Facebook 
E não quero falar nada com ninguém  
Discutir relacionamento 
Remoer dramas fofocas e dilemas 
Apontar dedos buscando os culpados 
Culpado sou eu  
Você  
Ele  
Qualquer um  
Vou me aventurar dentro de mim  
Antes de sair me doando por ai  
Encontrar em mim o que perdi nos outros  
Terceiros 
Qualquer um 
Raspei minha cabeça 
Raspei quinze anos de barba do meu rosto 
Para brotar novidades  
Meus travesseiros ainda tem o cheiro dos seus cabelos 
Eu danço descontroladamente no espaço que você deixou na sala 
Ocupo toda a sua ausência com movimentos frenéticos 
Falo sozinho ou comigo mesmo 
Me olho no espelho escrito à caneta 
Olhos tristes de olheiras  
Lembretes de caderneta  
Hábitos corriqueiros fantasias traumas crenças e doutrinas  
Um monstro de ideias 
Bobagens não mais registradas pelo cérebro   
Tabaco erva papel saliva e isqueiro 
E por instantes  apenas esqueço